O silêncio dos amantes

02/04/2011 at 8:23 PM 2 comentários

Valentim era, como eu, sozinho. Eu tinha sido traída por uma pessoa, ele pelo destino. Mas, ao contrário de mim, não conseguia deixar partir de verdade quem se fora. Eu sabia que era preciso tempo. Cada perda tem sua hora de acabar, cada morto seu prazo de partir, e não depende muito da vontade da gente. Ele não estava curado.(…)

Acordo com Valentim ao meu lado. Passo de leve a mão em seu rosto adormecido, acompanho com o dedo o contorno de sua boca, beijo seu ombro e me aconchego mais nele: aqui é o meu lugar no mundo. E o dele também. Do nosso jeito, estamos construindo – mais uma vez – a vida. A dor faz parte.

Lya Luft

Entry filed under: Gente é pra brilhar!. Tags: .

À beira do amor Gosta de Virginia Woolf?

2 Comentários Add your own

  • 1. ana ss  |  02/04/2011 às 8:26 PM

    Ama-dor.

    Todos somos.

    Responder
    • 2. Marjorie Bier  |  02/04/2011 às 8:29 PM

      Andréa Beheregaray escreveu uns fragmentos lindos sobre isso. Se encontrar, vou postar aqui.

      beijo, querideza.

      Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Sigam-me os bons!


%d blogueiros gostam disto: