Hoje eu tô aqui

26/09/2009 at 4:28 PM 13 comentários

Digitalizar0001

Hoje discutiremos, no Centro Municipal de Cultura de Santo Ângelo, maneiras para subsidiar, gerir, mapear e dar continuidade ao processo de desenvolvimento cultural da cidade.

Meu grupo, formado por integrantes do Pró-Memória e interessados no eixo proposto, irá debater sobre cultura e desenvolvimento sustentável, ou seja, a importância estratégica da cultura no processo de desenvolvimento local.

As linhas condutoras são:

– Centralidade e transversalidade da cultura

– Cultura, território e desenvolvimento

– Patrimônio cultural, meio ambiente e turismo

Essa conferência, além de identificar e fortalecer a transversalidade da cultura em relação às políticas públicas, elegerá quatro delegados que representarão a cidade na Conferência Estadual (dias 14 e 15 de dezembro), em Porto Alegre.

Entry filed under: Carpintaria.... Tags: .

Desejo* Adivinha! ®

13 Comentários Add your own

  • 1. Enrico  |  26/09/2009 às 4:35 PM

    Graaaaande, Marjorie!!!

    Parabéns pelo lançamento do livro. Tentei te ligar ontem à noite para mandar um abraço, mas deduzo que estavas comemorando por aí.

    Também já soube (sim… tenho fontes rápidas e seguras) que arrasaste hoje na abertura da conferência. Ter um poema do livro recém lançado lido, em primeira mão, pela representante do ministério de Cultura não é pra qualquer um.

    Guardarei as fotos contigo… isso valerá muito dinheiro em algum momento. ahuahuahuahu

    Responder
  • 2. Marininha  |  26/09/2009 às 6:05 PM

    A MELHOR ATIVISTA CULTURAL PRA SEMPRE!!!

    Responder
  • 3. Marevolto  |  26/09/2009 às 6:53 PM

    Pô, Maremota, que você é ligeira. Te achei, se é que te achei. Andei lendo em volta; que guerrinha, Mar. Como não me afogo mais, vou nessa, se conseguir. Teu poema na boca da Rosane Dalsasso foi para acachapar certos pseudos poetas que ficaram tamborilando no braço da cadeira. Eu sabia. Há poemas que saem do livro sozinhos. A Conferência foi boa; vamos aos resultados.

    Responder
  • 4. marjoriebier  |  26/09/2009 às 7:01 PM

    Mário, meu mestre querido… bem vindo sempre!!! Vamos aos resultados e ao teu blog. Evoé!

    Responder
  • 5. Marevolto  |  26/09/2009 às 7:08 PM

    A d o r e i (eu que nunca digo esse verbo por achar frescura minha). Mas que belo sábado de tarde me reservava esse sábado de manhã: chuva, (saudades de alegrias), o meu blog (desencalho), meu neto que está aqui querendo saber o que estou escrevendo. Está difícil de explicar o que é um blog e quem é a Mar. Mas o filho da mãe sabe o que um site. Tem até o nome: Zuzubalândia. Vou ter que ir ali. Tchau.

    Responder
  • 6. Marcelo Cruz  |  26/09/2009 às 7:43 PM

    Mar desses olhos lindos… eu já sabia!!!

    Lendo os comentários, tenho certeza que foi tudo um sucesso. Você é poesia da cabeça aos pés… é normal que suas palavras voem por aí.

    Parabéns…

    Responder
  • 7. Marcelo  |  26/09/2009 às 10:03 PM

    E eu aqui no MT a ver navios. Ou nem isso: aqui não tem.

    Responder
  • 8. Rafaela  |  27/09/2009 às 12:03 AM

    eu ‘num’ curti esse gerundismo ali de cara. rs
    mas admiro (de cara) o trabalho!🙂

    besos

    Responder
  • 9. marjoriebier  |  27/09/2009 às 12:06 AM

    Rafa… eu nem tinha me dado conta! Vou arrumar agggooooora!!!

    Thanks!

    Responder
  • 10. Régis Antônio Coimbra  |  27/09/2009 às 1:34 AM

    Passou-me pela cabeça um pensamento inconveniente (para mim): teres voltado a Santo Ângelo foi por si só um enorme reforço ao desenvolvimento sustentável do município. O interior (que paradoxalmente se diz “para fora”, aqui em Porto Alegre), no modelo gaúcho, é um exportador de talentos. Talvez em São Paulo algumas cidades do interior consigam já no geral manter seus talentos… Mas desconfio que mesmo lá o fluxo é desfavorável.

    Aposto que alguns (desculpa, mas serei oblíquo e dissimulado) pensam em ir para Santo Ângelo, por influência tua.

    Trabalhei por dois anos e muito em Lajeado, em minha encarnação como psicanalista. Achei muito marcante a diferença entre a capital e o interior… e, mais marcante ainda, a diferença entre Lajeado, de um lado do rio, e Estrela, do outro. E mais marcante ainda a diferença, dentro de Lajeado, entre o “centro”, onde todos se conheciam… e os outros bairros, lugares como que invisíveis e que um forasteiro como eu tinha até forte impressão – não de todo disparatada – de que eram mais distantes do centro do que Lajeado de Porto Alegre.

    Mas isso foi há mais de 10 anos. O interior, hoje, deve estar muito diferente, embora tão ou mais cheio de diversidade. Eu, em todo caso, sou uma criatura cosmopolita ao estilo de Kant: se bobear, nunca saio de Porto Alegre, ao menos não por turismo. Mas viajar é pertinente para encontrar pessoas – embora não se precise ir longe para se desencontrar.

    Responder
  • 11. marjoriebier  |  27/09/2009 às 1:38 AM

    Tb sou mais cosmopolita do que rural, embora encantem-me algumas características do mato e que jamais encontrarei em uma capital.

    Responder
  • 12. Renata  |  27/09/2009 às 2:27 AM

    Que bacana!

    Responder
  • 13. Régis Antônio Coimbra  |  27/09/2009 às 6:00 PM

    Em Porto Alegre, bem o sabes, há mato. Moro perto umas quatro ou cinco quadras do Jardim Botânico, onde há tanto canteirinhos quanto mato mesmo. Nos longínquos tempos em que a entrada era franca (sem pagamento), cheguei ao cúmulo de ir passear por lá em dia de chuva, como hoje. Bom… não exatamente como hoje, que chove muito e há certa tempestade elétrica – o que não recomenda passeios bucólicos.

    Com uns 4 ou 5 anos eu era fascinado pelos cascudinhos atraídos pelas lâmpadas da rua. Morava numa rua sem saída e, assim, podia procurar pelos animais no meio da rua, com calçamento de paralelepípedos. Isso persistiu por muitos anos e além de motorista de ônibus, policial ou sargento, também quis ser entomologista – bom… nessa fase eu já era alfabetizado e talvez já esnobasse as profissões proletárias que me encantavam poucos anos antes; meu desejo de ser sargento, por exemplo, mudou para o de ser oficial naval… o qual naufragou quando, por razões glandulares, embestei que iria querer uma mulher perto de mim todas as noites.

    Com a internete o interior se tornou mais cosmopolita. Morar numa capital ou cidade grande do interior de São Paulo significa ter mais cinemas, teatros e eventos culturais diversos. Mas isso não faz muita diferença se se vai a esses eventos só eventualmente. Eventualmente também quem mora numa capital vai ao interior ou a outras capitais.

    Ah! Há mais de vinte anos fiz “camping selvagem”, isso é: no mato mesmo (geralmente no interior do município de Riozinho, 20 ou 30 minutos de caminhada mato a dentro), sem outros recursos além dos naturais (água corrente, madeira…) e dos levados por mim e turma (garrafões de vinho, violões, panelas, barracas…). O que mais me impressionava depois do comportamento das pessoas era a diferença de conceito ou padrão entre o último banho caprichado lá e o primeiro banho descuidado ao voltar para a cidade. Muito limpo no mato não exclui restos de folhas ou gravetos entre os dedos do pé.

    Em acampamento, aliás, todos usam o mesmo desodorante: a fumaça da fogueira. Desconfio que o pulmão de um paulistano deve ser mais limpo do que o de um aborígene que realmente viva no mato e tenha, como “novela das oito” contar mentiras e outras vantagens individuais ou ancestrais em volta duma fogueira.

    Enfim, o mais interessante do mato, para mim, somos nós (eu mesmo, ou diferente, os amigos e, ahmnmn… as pessoas) nele. De fato, apesar das mutucas devido à necessidade de se ter gado por perto (para fornecer a bosta donde brota o cogumelo apreciado por alguns, fazia-se naturismo. Mas perto dos borrachudos, cujas picadas coçavam por semanas, as mutucas eram uma bênção.

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Sigam-me os bons!


%d blogueiros gostam disto: