Terremoto ®

26/05/2009 at 2:25 AM 2 comentários

a perna trêmula
na hora
do beijo

isso não é
meu
descuido

é
poesia
de gente

Anúncios

Entry filed under: Perplexidades.

Tua teoria* Moinho ®

2 Comentários Add your own

  • 1. Eduardo Frizzo  |  26/05/2009 às 6:00 AM

    A alma é tão-somente mais um órgão do nosso corpo. Por isso falar do “de dentro”, como tanto insiste a Hilda Hilst, é algo como fazer uma autópsia em si. Quanto a mim, prefiro conceituar pássaros como estrelas do que qualquer outra coisa. Deixo isso de autópsia para depois que eu morrer. Entretanto, nunca se sabe quando dois bisturis restaram cravados no seu peito ao mesmo tempo. Daí é que você diz do tremor assim como quem diz das oscilações do verbo calado das palavras: “é/poesia/de gente”. Me lembra algo Genet. Um baita beijo.

    Responder
  • 2. Mariana Cadore  |  30/05/2009 às 4:07 PM

    Que nossos dias sejam poesia, que nasce sem saber e tras a beleza em si.
    Poesistindo.
    Um abraco e adorei conhecer teu blog

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Sigam-me os bons!


%d blogueiros gostam disto: